terça-feira, 31 de maio de 2011

Como devemos tratar as variedades linguísticas: enquanto formas diferentes de realização da língua ou como correto e não correto?

PLANO DE AULA: O mito da língua homogênea.

As variedades lingüísticas existem e precisam ser respeitadas, e o seu uso não deve ser considerado errado: são maneiras diferentes de se falar a mesma língua e sua utilização não prejudica o entendimento. Tudo que parece erro no Português não-padrão tem uma explicação lógica e científica e incentiva o ensino da norma padrão - o modelo de comunicação nacional.


ASSUNTO
Como devemos tratar as variedades linguísticas: enquanto formas diferentes de realização da língua ou como correto e não correto?"
Objetivo
Confrontar a fala do Chico Bento que usa uma variedade de língua popular com o português que os alunos aprendem na escola e com suas próprias falas.
Observar as falas das pessoas que apresentam diferentes: posições sociais; níveis de escolaridade; ocupações de lugares geográficos; processos de aquisição cultural; idades; sexo; dentre outros fatores.
Levantar questionamentos sobre preconceito social e linguístico.
Levar o aluno a perceber que para participar de esferas sociais que usam a norma padrão ele precisará se apropriar deste código.

O que o aluno poderá aprender com esta aula
• Discutir a variação linguística empregada pelo personagem Chico Bento.
• Respeitar as variedades linguísticas diferentes das normas urbanas de prestígio.
• Correlacionar variedade linguística e identidade cultural.
Conhecimentos já trabalhados com o aluno
• Formalidade e Informalidade.
• Texto argumentativo
• Encenação dramática
• Leitura de HQ - Conhecimento sobre a construção da oralidade e da escrita
• Discussões e relatos orais.
DURAÇÃO: 10 AULAS
Estratégias
• Estratégias de leitura
o Leitura pelo professor
o Leitura encenada
• Discussões orais;
• Produção textual.
Recursos:
• Datashow + PC
• Xerox da HQ.
• Textos de Maurício de Sousa
• Vídeo
• Imagem
Desenvolvimento
- Apresentação do trabalho para o grupo
1. Falar sobre o gênero: HQ e sobre a série “A turma da Mônica”.
2. Esclarecer sobre o tema: O Brasil é composto por diversidade linguística e pluralidade cultural. Isso pode ser visto pelas falas das pessoas que apresentam diferentes: posições sociais; níveis de escolaridade; ocupações de lugares geográficos; processos de aquisição cultural; idades; sexo; dentre outros fatores.
3. Quatro textos , entre os produzidos, no gênero “Artigo de opinião”, serão escolhidos para exposição no mural da escola.
- Leitura pelo professor do Texto de Maurício de Sousa: CHICO BENTO EM OS PÉS (post abaixo)
• Antes da leitura: levantamento de hipóteses sobre o título, e seu significado dentro dos acontecimentos da história.
• Depois da leitura: discussão sobre a grafia de algumas das palavras e o uso de pronomes, adjetivos, preposição. Levantamento dos possíveis motivos que levaram tal forma de escrita.
A alternância de “lh” e “i” melhor / mior; olhos/ zoio;
A redução dos ditongos: outra/otra;
A simplificação da concordância: todos os pé, as mão;
Assimilação do “ndo” em “no”( falano/falando) ou do “mb” em “m” (tamém/também);
A desnasalização das vogais postônicas: home/homema redução do “r” do infinitivo ou de substantivos em “or”: amá/amar; amô/amor.

- Aprendendo a escrever (re)escrevendo - Proposta de reescrita coletiva das frases do texto que apresentam tais irregularidades ortográficas empregando as correções gramaticais indicadas pela norma culta.

- Leitura encenada pelos alunos
- VÍDEO: Chico Bento no Shopping



- Interpretação e compreensão da história
• Na história, Chico Bento passa por situações que, por viver em um ambiente rural, são inusitadas para ele. Perguntar aos alunos sobre que aspectos (elementos) do shopping chamam a atenção de Chico Bento; como as pessoas que se encontram no shopping reagem diante das ações de Chico Bento; o que leva as pessoas a reagirem dessa forma diante das ações de Chico Bento?
• As ações da personagem no shopping além de divertir o leitor, trazem uma crítica subentendida. Levar o aluno a deduzir sobre as críticas que estão “por trás” dos comentários que Chico Bento faz em relação ao shopping: “Só tem gente i loja, gente i loja...”; em relação às lojas: “A fessora mi insinô a lê na língua errada!”
• O que é possível inferir (compreender) sobre Chico Bento em relação ao que gosta; como se sente na cidade e no campo; ao julgamento que faz das pessoas da cidade e das pessoas do campo; ao que considera ser a vida na cidade e a vida no campo?

- Intertextualidade - exploração de marcas regionais

• Leitura e compreensão da imagem NO POST ABAIXO – o dialeto caipira

http://mangabastudios.blog.uol.com.br/arch2004-11-01_2004-11-30.html

Levar o aluno a compreender que “Uai, rilés” seria o modo de escrever, apoiado no modo de falar dos mineiros, do termo inglês “wireless”, que significa sem fio.

• Leitura encenada pelos alunos, e observação das variantes lingüísticas regionais explicitadas no texto (POST abaixo) –
Assaltante Nordestino

• Áudio sobre a Vaca Estrela e o Boi Fubá. Perceber a variação lingüística e a temática.

- Discussão e relatos a respeito de como caracterizar o personagem Chico Bento do ponto de vista econômico, regional/geográfico e social; sobre a correlação entre identidade cultural e variação lingüística; e essa maneira de conversar é típica da zona urbana ou rural. E se é tranquilo para as pessoas aceitarem a fala típica da zona urbana.
Explicar que esse tipo de construção faz parte da gramática do português não-padrão, que é a língua falada pela maioria do povo brasileiro, em oposição ao “português padrão”, a língua a que uma pequena parcela da população tem acesso.
Abrir debate para a fala chiada do carioca, a fala “cantada” dos nordestinos e “mutchas” outras características da fala de grupos sociais, não só geográficas ou regionais, mas também ligadas às profissões, à idade e as outras, lembrando que a forma de falar de certa forma apresenta a pessoa. Abordar o conceito de adequado e inadequado e o preconceito entre o certo e errado. Abordar o prestígio e o preconceito lingüístico.

Para sistematizar
- Leitura da HQ Chico Bento em Homem Bicho - (post abaixo)

- Produção de texto escrito – tema: "Existe uma variedade melhor do que a outra?
• Gênero: texto argumentativo – artigo de opinião
• Perguntar aos alunos se Chico Bento usasse em sua comunicação a linguagem da norma culta, a personagem teria a mesma força comunicativa?
• Você concorda com que o primo diz a Chico Bento quando evidencia toda a sua irritação diante do comportamento do primo, diz: “Não precisa dar tanta bandeira que você é um bicho-do-mato, ta?” ?
- Socialização dos textos – os textos serão lidos pelos pares que farão intervenções nos textos seguindo um itinerário pré acordado sobre “artigo de opinião”.
- Reescrita dos textos
- Seleção de quatro textos da sala para a exposição no quador mural da escola.
REFERÊNCIA
Música de Patativa do Assaré, retirada do Disco de 1980 "Eternas Ondas" de Raimundo Fagner www.youtube.com/watch?v=tvzzNyQhGow, acesso em 31 maio 2011

http://angela_dionisio.sites.uol.com.br/linpadrao.htm
http://www3.mackenzie.com.br/editora/index.php/tl/article/viewFile/868/534
http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalho/GT18-2511--Int.pdf
http://arquivosdochicobento.blogspot.com/2010/08/exercicios-com-chico-bento.html
http://www.journal.ufsc.br/index.php/desterro/article/viewArticle/8929
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=27231
SOUZA, Maurício. Chico Bento, n° 437, 2004.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário